JAIME PRADES
BLOG       OBRAS       TEXTOS       CONTATO
NA MÍDIA           CATÁLOGOS           LIVROS           EXPOSIÇÕES
ANA AVELAR 2016
FABIO MAGALHÃES 2016
JAIME PRADES 2014 B
JAIME PRADES 2014 A
SAULO DI TARSO 2014
PAULA ALZUGARAY
ANTONIO VENTURA
PAULO KLEIN 2013
TEREZA DE ARRUDA 2012
CLAUDIO ROCHA 2012
PAULO KLEIN 2012
SERGIO LUCENA 2012
JAIME PRADES 2010
WAGNER BARJA 1998
JOSÉ ROBERTO AGUILAR 1996
REJANE CINTRÃO 1996
FABIO MALAVÓGLIA 1995
WAGNER BARJA 1994
MARIE ODILE BRIOT 1990
ANA MAE BARBOSA 1989
LEONOR AMARANTE 1987
MARIA CECÍLIA F. LOURENÇO 87
WAGNER BARJA 1998
Artista, curador e atual diretor do Museu da República de Brasilia.


Texto para a exposição "Landscapes".

IRREVERÊNCIA OU MORTE PARA O BOM SELVAGEM

Wagner Barja

O fenômeno da arte selvagem manifestada no grafite que já se impõe como expressão inconformista do final deste século, gerou vários grupos nos centros urbanos de todo o mundo. Em São Paulo os grafiteiros do Tupinãodá atuaram nos anos oitenta como um dos mais expressivos desse segmento.
Emergindo daí, Jaime Prades trilhou um caminho asfáltico, emprestando uma sofisticada visão estética à arte bruta e clandestina das ruas. Mesmo rebelde, nosso artista galgou com facilidade o território de galerias, incorporando sempre o espírito do “Bom selvagem".
Atualmente na busca da tridimensionalidade para o desenho, Jaime transfere o seu grande elenco de personagens para outras matérias-primas, recortando em chapas de ferro a sua produção recente.
Há um antagonismo atávico nessa atitude. O que antes apostava na efemeridade de uma obra grafiteira, sempre em risco e sujeita à desaparição, agora adota materiais duradouros, para suportar um vocabulário que antes rejeitava eternidades.
Contudo, a irreverência permanece inalterada em sua criação, independendo do que a suporta.
Essa ironia marcante, herdada do grafite, será sempre endêmica e imutável em Jaime Prades.