JAIME PRADES
BLOG       OBRAS       TEXTOS       CONTATO
NA MÍDIA           CATÁLOGOS           LIVROS           EXPOSIÇÕES
ANA AVELAR 2016
FABIO MAGALHÃES 2016
JAIME PRADES 2014 B
JAIME PRADES 2014 A
SAULO DI TARSO 2014
PAULA ALZUGARAY
ANTONIO VENTURA
PAULO KLEIN 2013
TEREZA DE ARRUDA 2012
CLAUDIO ROCHA 2012
PAULO KLEIN 2012
SERGIO LUCENA 2012
JAIME PRADES 2010
WAGNER BARJA 1998
JOSÉ ROBERTO AGUILAR 1996
REJANE CINTRÃO 1996
FABIO MALAVÓGLIA 1995
WAGNER BARJA 1994
MARIE ODILE BRIOT 1990
ANA MAE BARBOSA 1989
LEONOR AMARANTE 1987
MARIA CECÍLIA F. LOURENÇO 87
PAULA ALZUGARAY
Curadora e editora


MUSEU DA CIDADE

Paula Alzugaray - para revista ISTOÉ e site da revista SELECT - 24/05/2013

Em exposição individual, Jaime Prades parte de um impulso acumulativo para chegar a um pensamento sintético sobre a relação entre o homem, a cultura e a natureza.

Diz a lenda e conta o artista Jaime Prades que o Tupinãodá foi o primeiro coletivo de arte urbana do Brasil. Quando participou da fase mais ativa do grupo, entre 1984 e 1989, Prades bebia das fontes da antropofagia modernista, das performances de Flávio de Carvalho e das intervenções urbanas de Alex Vallauri – artista atualmente revisitado em retrospectiva no Museu de Arte Moderna de São Paulo. Naquele momento, Prades criou a série “As Máquinas”, mural de proporções monumentais que, num belo dia de 1987, surgiu em uma das paredes do túnel da avenida Paulista e acabou impactando sobre várias gerações de artistas urbanos. Parte dessa história está contada no percurso de obras expostas em “Osso”, no Espaço Cultural Instituto Cervantes, em São Paulo.

Porém, mais que um recorte de momentos significativos de seus 30 anos de trabalho, a exposição abre novo ciclo na obra de Jaime Prades. “Fiquei muitos anos preso ao desenho, mas hoje me descubro um escultor”, diz o artista.

A exposição divide-se, portanto, em dois tempos. A primeira sala exibe uma série de obras recentes que ostentam duas intenções de trabalho: o acúmulo e a síntese. A instalação “Terra, Ar, água, Fogo” é constituída por três totens compostos de acúmulo de matérias orgânicas (minerais) e objetos descartados. “Terra” é feito de antigas portas e janelas, encontradas em demolições, organizadas sobre um monte de terra; “Ar” é feito de um agrupamento de escapamentos de carro descartados, sobre um monte de carvão vegetal; e “Água” é feito de galões de água mineral sobre um monte de areia. “Essa instalação evoca a memória dos materiais e das vidas que passaram por eles. São objetos impregnados de humanidade”, diz Jaime Prades.

Diante dos totens feitos de acúmulo, uma parede recebe sete objetos construídos com um sentido muito apurado de síntese. A série Ossário articula objetos achados na rua, de forma a construir frases e pensamentos. Assim, dois talheres associados a um osso de boi e uma pá enferrujada, por exemplo, constroem a ideia de um ciclo de cultivo e nutrição – ou nascimento, vida e morte. Outros objetos chegam a expressar uma vontade de catalogar, indexar ou diagramar os elementos, como se construíssem um arquivo iconográfico da vida urbana. A síntese é, portanto, a tônica preponderante.

“O osso é o que fica”, afirma ele, referindo-se ao elemento que dá título à exposição. O segundo tempo da mostra é composto por obras realizadas desde os anos 1980. Estão ali telas que representam personagens que emergem do lixo e telas cobertas por uma malha de inscrições que cobriram também os muros de São Paulo. Nessas caligrafias, encontramos a mesma propensão ao pensamento sintético com que o artista faz sua escultura recente. A exposição se desenha, portanto, como uma arqueologia da própria obra de Jaime Prades.

CLIQUE AQUI LINK DA MATÉRIA NO SITE DA REVISTA SELECT:

http://www.select.art.br/museu-da-cidade/