JAIME PRADES
BLOG       OBRAS       TEXTOS       CONTATO
NA MÍDIA           CATÁLOGOS           LIVROS           EXPOSIÇÕES
ANA AVELAR 2016
FABIO MAGALHÃES 2016
JAIME PRADES 2014 B
JAIME PRADES 2014 A
SAULO DI TARSO 2014
PAULA ALZUGARAY
ANTONIO VENTURA
PAULO KLEIN 2013
TEREZA DE ARRUDA 2012
CLAUDIO ROCHA 2012
PAULO KLEIN 2012
SERGIO LUCENA 2012
JAIME PRADES 2010
WAGNER BARJA 1998
JOSÉ ROBERTO AGUILAR 1996
REJANE CINTRÃO 1996
FABIO MALAVÓGLIA 1995
WAGNER BARJA 1994
MARIE ODILE BRIOT 1990
ANA MAE BARBOSA 1989
LEONOR AMARANTE 1987
MARIA CECÍLIA F. LOURENÇO 87
JAIME PRADES 2014 A
Reflexão sobre as "Máquinas".


Depoimento do artista.

VORAZ CIDADE / Máquinas de 1987 a 2014

As máquinas aconteceram a minha revelia. Surgiram de uma espécie de reação química catalizadora sob a Avenida Paulista dentro dos túneis de ligação com a Avenida Dr. Arnaldo no ano de 1987. Aconteceram!
Atribuo a esse fenômeno um acúmulo de energia surpreendente e a uma overdose de adrenalina pela exposição naquele lugar, naquela hora e naquele momento de salto quântico, de fundação de novos padrões, anos 80!
A arte urbana que fazíamos estava embebida de irreverência antropofágica, da síntese brutal do neoconcretismo, da gráfica russa revisitada, da contemporaneidade precoce de Flavio de Carvalho e de uma cidade que sinalizava adquirir uma escala desumana se a ganância e a especulação a dominassem, como infelizmente aconteceu.
A cidade me impregnou de texturas áridas, de cores surradas, do caos da sua fragmentação, da sensação de um corpo desdobrável descontrolado, holográfico, devorador.
As máquinas expressam essa voracidade.
De 98 a 2000 ao retomá-las após muitos anos elas foram retificando-se, auto organizando-se para a minha surpresa. Realizei uma grande série que batizei de “Geométricos” que por caminhos totalmente ocasionais aproximou-me do construtivismo Sul-americano, fazendo-me pertencer à fraternidade do gigante uruguaio Joaquim Torres Garcia.
Após uma segunda longa hibernação elas ressurgem em 2011 em alguns desenhos e pequenos graffitis. Agora mais suaves como que educadas por uma plasticidade de outro mundo. Penso que elas são uma remontagem das sobras desta cultura urbana artificial, setorizada, dividida, fragmentada. Elas foram escultoricamente transformadas em uma nova natureza, recicladas, reaproveitadas, resignificadas e finalmente alcançam sua organicidade.

Jaime Prades,
14 de julho de 2014