JAIME PRADES
BLOG       OBRAS       TEXTOS       CONTATO
NA MÍDIA           CATÁLOGOS           LIVROS           EXPOSIÇÕES
ANA AVELAR 2016
FABIO MAGALHÃES 2016
JAIME PRADES 2014 B
JAIME PRADES 2014 A
SAULO DI TARSO 2014
PAULA ALZUGARAY
ANTONIO VENTURA
PAULO KLEIN 2013
TEREZA DE ARRUDA 2012
CLAUDIO ROCHA 2012
PAULO KLEIN 2012
SERGIO LUCENA 2012
JAIME PRADES 2010
WAGNER BARJA 1998
JOSÉ ROBERTO AGUILAR 1996
REJANE CINTRÃO 1996
FABIO MALAVÓGLIA 1995
WAGNER BARJA 1994
MARIE ODILE BRIOT 1990
ANA MAE BARBOSA 1989
LEONOR AMARANTE 1987
MARIA CECÍLIA F. LOURENÇO 87
MARIE ODILE BRIOT 1990
Marie Odile Briot - Curadora - Musée d’Art Moderne de la Ville de Paris - 1990


Texto de apresentação do evento multimidia "Façades Imaginaires".

JAIME PRADES: ARTE NA RUA

“A construção da Place des Victoires (eu havia escrito Sainte-Victoire, um lapso significativo) não foi terminada a tempo para a abertura oficial, e as fachadas que faltavam foram pintadas em trompe l’oeil. Não creio que esta mistura de pedra e papier-maché tenham incomodado Louis XIV quando ele fez sua inauguração. Rei por Direito Divino, ele tinha um senso de teatro e de espetáculo, das aparências e do show – em outras palavras, fachadas imaginárias.
Um estudo atento de livros sobre mansões revela que um notável número de castelos nunca foi habitado pelos que os mandaram construir; por quinze ou vinte anos eles os habitaram em seus sonhos, mas as construções só se completaram após sua morte. Pessoas comuns, a quem era negado o direito de embarcarem em tais vôos da fantasia, iam direto ao essencial – imaginário, sim, mas tangível: minha avó, que pagou o aluguel pela casa de chão batido lavando roupas, mandou construir um túmulo para ela. O que me faz pensar que não se pode viver melhor do que em ‘algum lugar’, e que não há melhor ‘algum lugar’ do que os que estão além dos mapas.
É por isso que a maioria dos nômades incorruptíveis escolheu habitar o tempo. Eles vivem à noite, na face escondida do Sol, no planeta ‘Alternativo’, orbitando a sombra da Ordem diurna, como borboletas prestes a serem queimadas em shows de luzes.
Fachadas efêmeras, imagens insubstanciais suspensas num véu imaterial, mais leve que as paredes pintadas. Roupas de luz, trajes de festa e bombas de fumaça para reenfrentar o antigo, como uma prestidigitação elétrica, num planeta deixado na obscuridade do espaço-tempo cósmico. À noite atemporal dos amantes e xamãs, o século XX adicionou a noite elétrica e a cidade iluminada; ‘Mate o Luar’ (Marinetti, 1909) ou ‘Vitória sobre o Sol’ (ópera para a qual Malevitch desenhou o cenário e o figurino em 1913 – libreto de Kruchenykh, música de Matiushin); os Futuristas foram os primeiros a celebrar a união antinatural ente as cidades e os artefatos de luz artificial. Eles acreditavam na alma ‘unânime’ das cidades, e na ‘simultaneidade’ da velocidade da luz. Alguns até descobriram a ‘unanimidade’ das raças e dos continentes, uma vez que suas diferenças eram expressas em termos de fusos horários.

‘Você é Tupi daqui ou Tupi de lá?’ – Os Grafiteiros

Seis horas a oeste, em outro hemisfério, iluminada por outras constelações, e com um crescente da lua que ‘olha para outro lado’, está São Paulo, uma das mega-cidades do século 21. Sua população cresceu de 600.000 em 1900 para 13 ou 15 milhões no presente, inicialmente acumulando ondas de imigrantes da Ásia e da Europa até os anos 50, e depois outros, do interior sem limites; um fuso horário completo e milhares de anos de história separam São Paulo, na costa Atlântica, de Manaus, nas profundezas da Amazônia, perto dos limites territoriais do Brasil. Não é surpreendente que os ‘grafiteiros’ considerem as paredes de sua cidade como uma enorme tela, e que haja mesmo uma escola de graffiti, com sua própria história, lendas e figura paternal/heróica fundadora; Alex Vallauri, falecido, como Jean-Michel Basquiat e Keith Haring, na flor da idade, em 1987, aos 38 anos.
Ele nasceu na Eritréia (antiga Etiópia). Sua primeira intervenção data de 1978, “A Bota Preta”, uma mulher-pantera com botas de salto-alto (por coincidência, no ano seguinte, as colagens serigráficas de Ernest Pignon foram apresentadas na Bienal). Foi a época do desaparecimento do governo militar.
Em 1982, sua visita a Nova York estabeleceu a ligação entre os grafiteiros paulistas e novaiorquinos. O trio “Las Panteras” – Alex Vallauri, Carlos Matuck, Waldemar Zaidler – expôs seu trabalho na Bienal de 1985, à qual Keith Haring, Kenny Scharf e Penck foram convidados.
Críticos brasileiros identificam três gerações de grafiteiros: a primeira, uma geração de liberdade artística, caracterizada por spray art, anônima e ilícita; a segunda foi a época dos stencils, ainda uma forma de arte noturna; e a terceira geração marcou a mudança para a pintura e a proclamação aberta da auto-expressão da contra-cultura, de um projeto de humanização da cidade. Durante a campanha eleitoral de 1986 os artistas atacaram a poluição mental e estética causada pela pichação do candidato oficial, e contestou o direito dos políticos de ocuparem as paredes da cidade ilegalmente. Alinhado com a mais pura tradição western e com as justas poéticas, John Dennis Howard, um grafiteiro norte-americano que vivia no Brasil desde 1973, desafiou o político para um duelo de pintura, com base na estética urbana. Em termos de mídia, ele obviamente venceu. A mega-cidade escolheu a urbanidade dos artistas.
Graças ao mecenato institucional e a patrocinadores privados, eles ganharam o direito à citação e aos quinze minutos de fama a que qualquer verdadeiro descendente de Warhol pode aspirar.
Outro brasileiro, nascido em Madrid em 1958, Jaime Prades (Jaimito), fazia parte do grupo Tupinãodá – Jaime Prades, Zé Carratú, Carlos Delfino. O nome que adotaram é diretamente ligado ao mito original da Modernidade brasileira. Os Tupis, tribo que habitava o que mais tarde veio a ser o estado de São Paulo, desapareceram há muito tempo, mas deixaram sua marca no sangue miscigenado brasileiro e na alma “unânime” da capital de negócios da América Latina, cuja maioria da população é branca. Por exemplo, no ritual umbandista de São Paulo, o orixá, que ‘baixa’ no sacerdote em transe, fala tupi.
Oswald de Andrade, o teórico do Modernismo, também falava tupi: ‘Tupi or not Tupi, that is the question’. Esse mote do Manifesto Antropofágico (1928, ano 374 da Deglutição do Bispo Sardinha) se tornou um aforismo bem conhecido e ponto de referência para a arte desse século. Sob o nome de ‘Antropofagismo’, os brasileiros (Oswald) foram os primeiros a desenvolver teorias sobre o impacto da Arte Moderna emergente em culturas não européias no planeta, o que inclui a escola de Nova York: engolir a ‘lição’ da velha Europa para trazer uma arte de nova, crua. Para essa história de arte crua e cozida, Oswald de Andrade deu uma origem simbólica, cuja base histórica ou lendária não é definida: em 1554, os portugueses enviaram um bispo para converter os pernambucanos. Ao chegar, ele foi ritualisticamente devorado pelos canibais (antropófagos). Seu nome era Sardinha.
Por um breve instante, a sombra de Sardinha e dos Tupis, devorados pela modernidade, flutuará sobre a fachada clássica da igreja de São Luís, na sombra causada pelos transeuntes em São Paulo. Nunca mais a visão e a expressão de uma face, de um falo, de um seio serão as mesmas... Picasso, Miró, o traço alegre de Jaimito se apropriam e reinventam as liberdades do século. Os antropófagos de Grenoble (pois toda cultura é canibalista: ‘a transformação constante do Tabu em Totem’ – Oswald de Andrade) não ficarão desconcertados. E se eles esperavam pelo Bom Selvagem na pele de um novo Fauve, que pena! Nos personagens formados pela desconexão das linhas e cores, eles reconhecerão o pensamento artístico e rítmico da parede, o trabalho de um artista contemporâneo: Jaime Prades, que só está separado deles por fusos horários, que fazem de cada um o produto do sonho do outro.”

Texto de apresentação do trabalho de Jaime Prades para o catálogo do evento multimídia "Façades imaginaires", Grenoble, França - 1990.