JAIME PRADES
BLOG       OBRAS       TEXTOS       CONTATO
NA MÍDIA           CATÁLOGOS           LIVROS           EXPOSIÇÕES
ANA AVELAR 2016
FABIO MAGALHÃES 2016
JAIME PRADES 2014 B
JAIME PRADES 2014 A
SAULO DI TARSO 2014
PAULA ALZUGARAY
ANTONIO VENTURA
PAULO KLEIN 2013
TEREZA DE ARRUDA 2012
CLAUDIO ROCHA 2012
PAULO KLEIN 2012
SERGIO LUCENA 2012
JAIME PRADES 2010
WAGNER BARJA 1998
JOSÉ ROBERTO AGUILAR 1996
REJANE CINTRÃO 1996
FABIO MALAVÓGLIA 1995
WAGNER BARJA 1994
MARIE ODILE BRIOT 1990
ANA MAE BARBOSA 1989
LEONOR AMARANTE 1987
MARIA CECÍLIA F. LOURENÇO 87
JAIME PRADES 2010
Exposição "Natureza Humana" no Espaço Cultural Matilha em São Paulo.


MATILHA HUMANA
Vivemos uma época de falência das metáforas, de fratura entre as realidades externa e interna, entre o homem e a natureza, entre o ser e o espírito. Mergulhados num caldo denso de informação visual medíocre e contaminada, olhos e mentes entorpecidos são levados pra lá e pra cá pelas ondas superficiais de falsas necessidades. Para onde vamos? Será inevitável o triunfo do egoísmo, da voracidade, do imediatismo?
Qual o papel do artista diante da urgência de um salto quântico coletivo? Será possível criar pontes para novas conexões mentais, novas sinapses, que nos ajudem a superar padrões negativos e a transformar a nossa cultura destrutiva?
Nossos sentidos estão saturados de lixo e carentes de verdade. Tudo é alimento: sons, imagens, sabores, toques, aromas, assim como as comidas, estão repletos de venenos e mantém os nossos corações desnutridos.
A faxina é grande, começa por dentro, na casa da nossa mente. Toda transformação interna repercute no mundo. Essa consciência me mantém vivo e me dá forças para acreditar no futuro. Estou à serviço dela.