JAIME PRADES
BLOG       OBRAS       TEXTOS       CONTATO
NA MÍDIA           CATÁLOGOS           EDITORIAL           JAIME PRADES
SOPRO 2021
JAIME PRADES: TRÊS GERAÇÕES
À DERIVA 2020
MAC SOROCABA 2019
TRIANGULAR 2019
COSMOPOLIS 2019
SESC SÃO JOSÉ 2018/19
SESC BIRIGUI 2017
NATUREZA HUMANA
À DERIVA 2014
BIO
EXPOSIÇÕES
ENCONTROS COM JP
MINI BIO
SOPRO 2021
Individual de Jaime Prades na galeria andrea rehder arte contemporânea. De 24 de abril a 16 de junho.


SOPRO - OBRAS DE JAIME PRADES

“... a respiração contínua do mundo
é aquilo que ouvimos
e chamamos de silêncio”
Clarice Linspector

A expressão plástica de Jaime Prades está em permanente transformação com desdobramentos poéticos recorrentes. Não obstante, grande parte dessa dinâmica se dá revisitando sua própria obra e refletindo sobre ela, sobre o já construído, para refazê-la, trespassa-la através de transgressões continuadas. Preocupação incessante do artista de mover-se, de ir além, de partir para novos caminhos.





A Galeria andrea rehder arte contemporânea apresenta um conjunto de obras recentes do artista, realizado entre os anos 2018 e 2021. A exposição revela o frescor de sua linguagem atual e a adoção de um novo percurso gráfico que dialoga com o pictórico. Nos trabalhos desta mostra, Jaime Prades estabeleceu dois atores visuais que interagem entre si, guardando suas identidades – a grafia de expressão forte e de permanente agitação (atividade); e o pictórico, de repouso e harmonia (passividade).





A exposição Sopro traz uma poética inquietante, e para realiza-la o artista transformou radicalmente sua paleta de cores, estabeleceu uma nova plástica. O espaço que era fragmentado e tensionado, agora se apresenta contínuo, com tonalidades difusas. Nos amplos espaços sinfônicos de luz e de cor surgem zonas ondulantes de linhas que se agitam no vasto espaço de tonalidades reverberadas, sugerem conceito do taoísmo, do Yin e Yang que representam a dualidade de tudo que existe no universo.






Jaime Prades desenvolveu uma técnica harmônica e integrada entre o lápis e a tinta a óleo. Enquanto a gráfica impõe intenso movimento, a expressão pictórica, por sua vez, sugere imobilidade, talvez um lento mover-se, como algo que se move na imensidão contínua do universo. Essa fusão entre contrários gera uma poética cheia de energia, de mistério e de magia. A dinâmica conturbada dos elementos gráficos coabita com o lirismo das paisagens nebulosas.





Ao construir a difícil e bela relação entre a expressão gráfica e pictórica, o artista cria metáforas de tempo, entre o efêmero e o permanente nos contrapontos de repouso e de movimento.





A exposição traz, também, um conjunto de trabalhos intitulados “Mandorlas”, com forte protagonismo gráfico, formado por linhas ondulantes concêntricas que formam um todo, espécie de território, na parte central do suporte. Certamente, esses trabalhos aludem às mandalas, que em sânscrito significa círculos, e eram usadas em rituais de meditação – espécie de imagem e referência do mundo.





Há ainda duas assemblages, construídas em alumínio, aço, ferro e madeira. Nelas, o artista expressa de modo tridimensional poéticas semelhantes às obras bidimensionais. É importante ressaltar que Jaime Prades se dedica de modo continuado e com amplo domínio à expressão tridimensional.





Ao ver as obras desta exposição, noto que algo me faz lembrar a atmosfera de Gustav Klimt , mas devo estar sonhando.

Fabio Magalhães
curador