JAIME PRADES
BLOG       OBRAS       TEXTOS       CONTATO
NA MÍDIA           CATÁLOGOS           EDITORIAL           JAIME PRADES
DB/ARTEFACTO 2018
CASA & CONSTRUÇÃO 2018
BRASIL FAZ DESIGN 2017
CHAPEL ART COLLECTION 2017
ENTREOLHARES 2016
A ARTE DA RECICLAGEM 2015
REVISTA BRASILEIRA 84 2015
GRÁFICA INTERNACIONAL 2014
PANAMERICANA 50 ANOS 2013
PINACOTECA DO ESTADO SP 2013
NATIONAL GEOGRAPHIC BR 2013
ESTÉTICA MARGINAL 2012
MAC PARANÁ ACERVO 2009
A ARTE DE JAIME PRADES 2009
TUPIGRAFIA 11 2008
ARTE EM SÃO PAULO Nº 31 1985
CASA & CONSTRUÇÃO 2018
Matéria de Gabriela Meschini.


Revista no formato 27,5 x 20,5 cm, 114 páginas. Edição número 145 de fevereiro de 2018.

ARTE COMO ATIVISMO

Desde a década de 1980, Jaime Prades cria obras de caráter social que transformaram a história do Brasil.

Talvez tenha sido em exposição realizada no Parque do Ibirapuera, ao decorrer da rua Bela Cintra ou no próprio Beco do Batman. A verdade é que, se você mora ou visita a cidade de São Paulo, com certeza já deparou com alguma obra deste artista plástico autodidata. Isso porque, há mais de 30 anos, as intervenções de Jaime Prades saltam do cinza e preenchem espaços públicos da capital com cor, formas e apelos sociais tão necessários para os dias de hoje.

De nascimento, o artista é espanhol, mas a verdade é que ele tem alma 100% brasileira, sendo até referência histórica de nosso país.
Nos anos 80, por exemplo, em meio à ditadura militar, Prades integrou o coletivo Tupinãodá - grupo conhecido como berço do grafite, por meio do qual grandes artistas paulistas enfrentavam a atmosfera de medo e insegurança para distribuir arte pelos espaços urbanos. "Na época, a gente estava em pleno processo de transição da ditadura para a democracia e eu tenho para mim que, quando começou a abrir a panela de pressão, espirrou tinta", conta o artista que ia para as ruas em plena luz do dia realizar suas intervenções.

O tempo mudou, mas a obra de Prades permanece sendo um grito à sociedade: seu trabalho sempre faz referência a questões como o limite entre o público e o privado; o abandono e a descaracterização das comunidades; o valor da obra de arte diante o desprestígio das artes vernaculares; as cidades como suporte; e o palco urbano como território de convivência, entre tantos outros temas.

Nessa linha, Prades produziu pinturas, esculturas, desenhos, objetos e instalações capazes de transmitir seu traço marcante independentemente do suporte ou da linguagem utilizada. Seus trabalhos estão agrupados em cinco séries principais, que são: Máquinas, Totens, Absurdos, Xamânicos e Natureza Humana. Cada uma delas aborda, respectivamente, a desumanização, a ancestralidade, a alegria, o sagrado e a crise civilizatória materialista.

Por meio do projeto Natureza Humana, o artista trabalha restos de madeiras resgatadas do lixo, transformando-os em instalações e esculturas em formato de árvores. Sempre engajado ao movimento social, Prades possui a linguagem poderosa e contextualiza as ações do ser humano com a natureza.